Home
Serviços
Patologias Atendidas
Convênios Médicos
Supervisão
Tire Suas Dúvidas
Processamento Auditivo Central
Fonoaudiologia
Fonoaudiologia e Prevenção
Saúde do Trabalhador
Artigos
Publicações
Localização
 
 
 
 
 
 
 

Labirintite - O que posso fazer para melhorar?

 

 As tonturas nem sempre são de origem labiríntica; algumas questões devem ser consideradas antes de tudo.

 

 A avaliação com o médico otorrinolaringologista é que vai confirmar se as tonturas são realmente decorrentes de labirintite. A partir desse diagnóstico é que se estabelece o plano de reabilitação vestibular ou labiríntica. É importante notar que, mesmo após o diagnóstico, algumas questões devem ser observadas antes de se dar início aos exercícios que irão promover maior segurança e equilíbrio.

 

 Uma delas, e muito importante, é a questão alimentar ou de hábitos alimentares. Uma dieta saudável e com intervalos regulares é o mais indicado. Algumas vezes verifica-se que o paciente alimenta-se pela manhã, em torno das 6h30 como primeira refeição, e o almoço só vai ocorrer lá pelas 13h. Ausência de alimentação durante longos períodos, sem sucos ou lanches entre as refeições principais, pode alterar o metabolismo. Muitas vezes a pessoa nem mesmo se lembra de ingerir água.

 

 Com relação à dieta alimentar é importante consultar um nutricionista, pois, as orientações feitas em consultório são para adequação do horário de alimentação e ingestão de água. Não há necessidade de se ingerir 3 litros, como às vezes ouve-se falar, mas ingerir no mínimo, 8 copos de água, por dia, deve ser hábito, a menos que haja restrição médica.

 

 A atividade física é um dos fatores primordiais que vai auxiliar a reabilitação. Não é possível tratar a labirintite se a atividade física não é estabelecida. Mesmo que seja caminhada leve, cerca de três vezes por semana, até que se possa passar para caminhada diária. O andar é preferível a ficar sentada e o ficar sentada é preferível a ficar deitada. Somente nas crises é que se aconselha que o paciente se movimente pouco, deitando caso seja impossível ficar sentado; sentando se é impossível ficar em pé. O objetivo da atividade física é a melhora da circulação sanguínea e da capacidade cardiorrespiratória e por consequência a diminuição das tonturas.

 

 As sessões de reabilitação podem ocorrer uma, duas ou três vezes por semana, sendo que em casa os exercícios devem ser repetidos exatamente como no consultório. Persistir nos movimentos e tarefas e aumentar gradativamente o tempo e o número de vezes, podem levar a melhora lenta, mas gradual. Pessoas que se queixam que não conseguem ler mais do que poucas linhas de um livro, ou trabalhar ao computador, ou outra atividade similar, ao serem orientadas conseguem paulatinamente aumentar o número de linhas lidas, trabalhar mais tempo ao computador, fazendo intervalos breves e retornando a seguir. As tarefas diárias não devem ser abandonadas (exceto em períodos de crise intensa), pois são elas que promovem uma estimulação natural e duradoura. Executá-las com movimentos lentos, postura correta, base levemente alargada (pés afastados cerca de um palmo) e sem movimentos bruscos, são tão importantes quanto os exercícios de reabilitação.

 

 Em suma: alimentação saudável, ritmo de vida dinâmico mas não exageradamente dinâmico e atividade física são benéficos para a prevenção e/ou tratamento das labirintites.

 

Publicado em 22/02/2013

 
 

Perguntas mais frequentes dos pacientes

Supervisão Atendimento a profissionais da área

PAC Processamento Auditivo Central

 

Contato

Fone: (11) 3699-2049

Fone/Fax: (11) 3682-5040

E-mail: fonoaudiolu@uol.com.br

 

©Fonoaudiolu 2006/2017  Política de Privacidade   E-mail: fonoaudiolu@uol.com.br